Tag: passeio


Dia 349 – Bolinhas, dança e sujeira, muita sujeira!


O carnaval começou oficialmente neste final de semana, com vários blocos nas ruas, festas fechadas e movimento pela cidade. E o Biscoito não poderia ficar de fora! A Mamãe ficou de olho nas redes sociais™ em busca de bloquinhos para bebês, e vimos um em Moema, no domingo. Região relativamente segura, perto de casa, bloco infantil com direito a comida para adultos, perfeito!

Nesse mesmo dia, uma brinquedoteca chamada Cadê Bebê faria uma seção especial. Normalmente eles cobram por hora ou então um pacote mensal, mas nesse dia era um valor diferenciado para brincar o dia inteiro. Ficamos entre ir no bloquinho ou ir na brinquedoteca. Ganhou a brinquedoteca.

O espaço é muito amplo, com bastante brinquedos. Mas teve dois em especial que o Biscoito adorou: uma piscina de bolinhas que era mais uma vala de bolinhas, pois era bem rasinha, e uma outra, essa sim funda! Até eu entrei nela para ajudar o Biscoito. Tinha até uma bebê que literalmente se jogava na piscina! Ele brincou bastante ali.

O momento mais divertido foi, sem sombra de dúvidas, a parte da pintura. Eles forram o chão, dão um papel para cada criança, um pincel e tinta. O pincel é uma folha de couve. A tinta vermelha é suco de beterraba, a verde é suco de espinafre e a laranja é suco de cenoura. E tá pronta a farra!

Havia cerca de 6 ou 7 crianças pintando, mas apenas o Biscoito e outros 2 que efetivamente entraram na brincadeira e enfiaram a mão na massa…quer dizer, na tinta!

Chegaram a disponibilizar uma bandeja com bastante suco de beterraba….eu estava torcendo pro Biscoito se enfiar dentro dela! Mas ele só a virou no chão!

Depois dessa brincadeira toda não tinha outro jeito a não ser dar um banho, pro qual o espaço também está preparado com água quente, duxinha, sabonete, xampú e toalhas.

Para finalizar foi montada uma roda de dança, para que pais, mães e filhos se divirtam juntos cantando e dançando.

O local não estava assim um primor de limpeza, com areia em alguns pontos, que depois descobri de onde vem: eles possuem um tanque de areia, então é de se esperar que conforme as crianças passem de um espaço para outro acabem espalhando a areia por todo lugar. Há espaços para bebês e também para crianças maiores, contando com uma lanchonete e um espaço para festas no andar superior. A equipe é muito cuidadosa e prestativa.

Eu fiquei muito feliz de ter ido com a Mamãe e o Biscoito ali, e tenho certeza que ele também adorou! Pretendemos voltar com ele, sem sombra de dúvidas, para mais umas nadadas e umas pintadas.


Dia 328 – Um Passeio Quase Cultural


Domingo de sol, clima gostoso, e um bebê para ensinar coisas novas, lugares novos e estimular e cansar bastante! Estávamos querendo já faz tempo sair com ele para ir a um parque, pois das outras vezes que ele foi ao Ibirapuera ainda era pequeno (menor do que é hoje), e não aproveitou muito pois ficou quase que o tempo todo no carrinho. Só que sempre chovia ou estava frio.

A Mamãe tinha lido sobre um espaço para crianças montado nesta época de férias no Museu da Imigração (parece que o site está fora do ar) com brinquedos, brincadeiras e até pessoas contando histórias para os pequenos. Achamos que seria ótimo, e é um lugar que a Mamãe nunca tinha ido! Então fomos!

Eu já conheço o local, e sei que as redondezas não são a melhor coisa do mundo em matéria de segurança, limpeza e afins, mas também sei que o museu em si é bem interessante e muito bem cuidado. Achei o espaço que fizeram para essas atividades um pouco acanhado, pois esperava mais presença de pessoas inclusive. Estão utilizando uma sala, onde separaram um espaço bem cercado onde só entram as crianças e os responsáveis, todos devidamente descalços.

Há tapetes de EVA por todo lado, uma área com pufes para a leitura de alguns livros que estão disponíveis por lá, muitos brinquedos manuais, algumas mesas para os pequenos pintarem (com direito a desenhos impressos e giz de cera), e por aí vai. A entrada é controlada para não haver super-lotação. Eles avisam que o tempo de cada criança lá dentro é de 30 minutos, para que todos possam aproveitar bem o local, mas como estava relativamente vazio, esse controle não estava sendo feito.

A primeira coisa que o Biscoito viu e foi correndo era um cavalinho de plástico, no qual ele pôs a mão e a Mamãe imediatamente o colocou em cima. Definitivamente ele adorou, mesmo tendo um igualzinho no playground de casa. Depois ele pegou um caminhão de madeira, que usava apenas como apoio para engatinhar. Ele adora pegar alguma coisa para ficar segurando enquanto engatinha, assim não precisa ficar levantando a mão….basta empurrar!

Na cama elástica ele não ficou muito tempo, mas o tempo que ficou riu até não poder mais! Só ele podia entrar então nós ficamos de fora apenas balançando o piso para ele ficar pulando! Acho que se ele pudesse falar teria dito “quero uma dessas no meu quarto”!

Mas o local em que ele mais ficou foi, sem dúvidas, a piscina de bolinhas! Não era grande, mas o suficiente para 3 ou 4 crianças brincarem sem esbarrar uma na outra. Ali ele gastou bastante energia, sem dúvidas!

Demos o almoço para ele na lanchonete do local e fomos para o Mooca Plaza Shopping, ver o Quarto do Andy. Uma área de 150m² repleta de bolinhas! Sim, uma piscina de bolinhas gigante, com bolinhas chegando até os joelhos de um adulto!

Eu não quis entrar ali com o Biscoito porque ele é pequeno demais para algo assim, ainda mais que ele sequer anda sozinho ainda. Seria muito perigoso para um bebê. O que é uma pena, pois eu tenho quase certeza que ele se divertiria muito!!! Poderiam fazer sessões para bebês, cobrando um valor mais alto (o preço é de R$15,00 por 15 minutos).

E aposto que deve ter muito marmanjão chamando o sobrinho pra ir lá só pra poder entrar na piscina!


Dia 327 – O Biscoito, o Cinema e o Restaurante: Uma Cólica Extraordinária


A Mamãe estava doida para ir no cinema assistir um filme, mas com o Biscoito fica meio difícil (a menos que alguém…cof cof Dona Sogra cof cof…fique com ele), pois ir no cinema com um bebê é, acima de tudo, extremamente desrespeitoso com as outras pessoas que estão na sessão! Ele vai chorar, vai ter fome, talvez fique impaciente e queira brincar, enfim um tormento para quem não tem filhos ou simplesmente quer um momento de paz numa sala de cinema.

Aí ela descobriu o CineMaterna. A ideia é simples: sessões de cinema especiais, em horários alternativos, onde mães podem levar seus bebês. E bebês mesmo!! Poucos ali já andavam! E eu falei mães??? Pais também! Eu diria inclusive que a esmagadora maioria dos bebês estava acompanhada de mãe e pai.

As sessões são em sua maioria durante a semana, no período da tarde, o que nos complica a vida já que eu tenho que trabalhar! Mas uma vez por mês fazem uma sessão aos sábados! E ela ocorreu neste sábado, no Shopping Vila Olímpia. Nunca vi um congestionamento tão grande de carrinhos de bebês. Fomos Mamãe, Biscoito, tio Kadu, tia Dedéia, priminho Ben e, claro, eu.

A organização do evento foi impecável ao meu ver. A sala em momento algum fica no escuro total, na área embaixo da tela, que tem um espaço relativamente grande, foram colocados dois trocadores para que ninguém precise sair da sala em caso de urgência, colocaram tapetes de EVA para os bebês brincarem, e montaram um estacionamento para os carrinhos do lado de fora da sala (isso inclusive explica perfeitamente o porquê das sessões serem em horários alternativos e não haver mais nenhuma sessão em nenhuma sala…seria complicado o trânsito de muitas pessoas por ali).

Durante o trailler, demos banana para o Biscoito, então vira e mexe ele dava uns gritos do tipo “acabou o pedaço que estava na minha boca, tem jeito de dar mais uma mordida ou tá difícil?“, que a princípio me deixaram um pouco encabulado pensando no que os outros iam falar. Só que aí lembrei (na verdade meus ouvidos me lembraram) que havia outras dezenas de bebês ali, e todos estavam fazendo a mesma coisa! Em alguns momentos durante o filme parecia haver uma sinfonia com tantos bebês chorando!

Pouco antes do filme começar ele ficou mais chatinho, aí lembramos que a chupeta poderia resolver o problema. Só que ela ficou no carrinho, estacionado lá fora da sala. Acabei indo com ele buscar a dita e voltamos. Ele ficou por cerca de 1/3 do filme pulando do meu colo para o colo da Mamãe, até que o sono começou a bater mais forte e eu desci com ele, para caminhar na parte de baixo da sala. Assim a Mamãe poderia continuar a ver o filme e ter um pouco de descanso.

Eu não era o único aliás. O corredor lateral da sala tinha bastante gente na mesma situação. Ele dormiu rapidinho e eu decidi ficar lá embaixo mesmo, assim não correria o risco dele acordar. Já perto do final voltei pro nosso lugar e, obviamente, ele acordou! Mas aí já estava mais tranquilo.

Ao final da sessão, fomos pra praça de alimentação dar o almoço pros bebês e pensar onde nós almoçaríamos. Decidimos ir num restaurante italiano, onde fomos muito bem recebidos pelo dono/chefe/maître/sócio/sei lá eu o que e fomos pra mesa. Chegou o couvert e começamos a comer. O couvert era pão e um prato com ervas e azeite.

O pão chegou quentinho na mesa, e a titia Dedéia deu um pedacinho pro Ben. Mamãe pensou um pouco, já que o brócolis e a banana que tínhamos levado já tinham sido devorados pelo Biscoito, perguntou o que eu achava, e concordamos em dar uma fatia pra ele.

Não preciso dizer que sequer migalhas ficaram pelo chão, né? Havia banana, brócolis, guardanapo, colher, garfo, mas pão? Nadinha!

Ele chupava o pão como se fosse uma lasanha (espera só ele provar uma de verdade…). Chegou a ficar com um pedaço em cada mão e outro na mesa. Mordia de uma mão, mordia da outra, pegava com a boca o pedaço da mesa, e assim foi até terminar.

Mas claro que tanta delícia cobra seu preço: à noite ele teve uma cólica forte, onde a barriguinha dele ficou até inchada e dura. Chorou bastante e só passou depois que demos remédio.

Mas tenho certeza que ele repetiria a dose mesmo sabendo o que passaria à noite! E nós? Com certeza!!!!!

Ahhhhh….qual era o filme? Já estava quase esquecendo! Foi Extraordinário. Belo filme! Valeu a pena!


Dia 294 – Andador do Prof. Pardal


O Biscoito já se levanta sozinho, claro que se escorando em algo. Já fica de pé, também se segurando. Já caminha, com alguém segurando a mão dele, como dá para ver na imagem ao lado no passeio pelo shopping. Ou melhor, com ele segurando a mão de alguém! Nem tente segurá-lo pelos braços enquanto ele caminha pois ele vai empurrar a tua mão. É ele quem quer guiar, e não ser guiado. E ele segura forte!!

Mas ficar com os bracinhos pra cima cansa, e obviamente que ele não quer ficar engatinhando sempre, pois a visão de cima é muito mais legal (mesmo que sejam apenas alguns poucos centímetros a mais). E como ele é pouco esperto, pouco malandro e pouco inteligente, arranjou um andador!

Na sala de casa nós temos dois pufes com rodinhas, mas eles são um pouco altos então fica mais difícil andar com eles pra lá e pra cá. Só que no quarto dele, junto com a poltrona de amamentação, também tem um pufe, mais baixinho, para colocar os pés. Esse tem o tamanho ideal, e ele descobriu que é perfeito sair empurrando-o pela casa, usando-o de apoio para caminhar! Só o vizinho de baixo que talvez não tenha gostado muito.

Tô vendo o dia que esse moleque vai me ver pela sacada chegando de carro e vai me esperar na porta do elevador, sozinho!


Dia 110 – Aventuras no porta-malas


Nós saímos o dia inteiro neste domingo, e em dado momento eu fiquei com o Biscoito no carro, cuidando dele. Procurei um lugar calmo e com sombras para que o sol não ficasse na cara dele, estacionei o carro, e fiquei brincando e conversando com ele na parte de trás. Deu hora da mamadeira, preparei e comecei a dar. Percebi que ele estava fazendo força. Isso quer dizer cocô. Aí começou o barulho…a cada som que vinha da parte inferior do Biscoito o desespero aumentava dentro de mim.

Quando parou de mamar nem precisei colocar o nariz na bunda dele para sentir que realmente havia feito o serviço. Sem contar que nem mamou tudo! Ele não gosta de ficar sujo!

Ia precisar trocá-lo! Olhei pros bancos do carro, e ali seria impossível! Eles são inclinados. Olhei pro piso, no espaço entre o banco dianteiro e o traseiro…tem um bom espaço ali! Ele caberia! O problema é que eu não teria onde ficar, e seria bem ruim pois a porta não deixaria ter muita movimentação.

Estava perto de um shopping….e se fosse até lá pra trocar no banheiro? Poderia ser uma boa ideia. Só que era o shopping Tatuapé. Imagina um shopping cheio. Não, mais gente. Dobra. Então, ainda não chegou perto de como é aquele lugar! Não vou entrar num shopping cheio de gente com o Biscoito. E se procurar uma farmácia, pra pedir pra usar o banheiro? Minha cara de pau não chega a tanto….ainda.

Aí me deu um estalo! O porta-malas do carro é grande, bem grande! Basta tirar a casa que tá nele que vai ter bastante espaço pra trocar o Biscoito. Resolvido!! Só que não dá pra fazer isso na rua. Então fui pra um estacionamento….cheguei lá e o diálogo:

– Boa tarde! Eu posso ficar no carro aqui?

O rapaz fez uma cara meio esquisita, enquanto me dava o ticket.

– É que estou com meu filho e preciso trocá-lo! Vou ter que montar uma operação de guerra!

O cara riu…

– Pode, sem problemas!

Estacionei o carro, e lá fui eu tirar tudo do porta-malas pra abrir espaço. Forrei a tampa do estepe com meu agasalho, coloquei o trocador, e lá fui eu, todo feliz por ter achado uma solução e poder limpar o Biscoito. Até o momento em que tiro a calça dele.

Vejo que vazou um pouco do lado e sujou a calça. Ok, vou ter que trocar a roupa dele também. Na hora que eu abro a fralda…só não chorei porque tinha que parecer forte e que estava no controle pro Biscoito não se assustar. Não vou descrever a cena porque você, caro leitor, pode estar se alimentando. Mas posso dizer uma coisa: era terra arrasada! Se estivéssemos em casa era caso de banho completo!

Limpei o que deu com a fralda, e passei a usar os lenços umedecidos. Quando peguei o pacote dos lenços, e senti que estava fininho, gelei. Mas mantive a calma pensando que talvez houvesse outro fechado na bolsa. É….não tinha. Se não bastasse eu estar num estacionamento, com o porta-malas aberto, um bebê dentro dele sem as calças, ainda teria que otimizar o uso dos lenços! Já comecei a pensar qual peça de roupa minha usaria pra limpar tudo e depois jogar fora. Usei o primeiro lenço, e só deu pra dar uma passada.

O segundo consegui dar uma segunda passada. O terceiro também deu pra uma segunda. Reservei o quarto e último para uma emergência. Santa decisão! Na hora que olho a roupinha dele, nas costas, vi que vazou por ali também, e ele está sujo. Tirei a roupa toda, limpei as costas com o lenço que sobrou, e o vesti.

Saldo final: uma calça, um body e um trocador sujos, um bebê relativamente limpo e um pai feliz que agora já sabe que numa emergência dá pra usar o porta-malas do carro.

E o Biscoito mamou o resto da mamadeira e dormiu.


Dia 70 – Passeando no Parque


Eu tinha prometido pra Mamãe que na segunda-feira, feriadão do dia do trabalho, nós acordaríamos cedo para passear no parque do Ibirapuera. Parte da promessa foi cumprida. Não a de acordar cedo. Nós dois acordamos por volta das 8 com o Biscoito chorando pois tava na hora da mamada…só que depois de mamar capotamos na cama de novo! Os três! E sem dó!

Acordamos lá pelas 11, com ele resmungando de novo, já que estava na hora de nova mamada. Aí a vergonha na cara pesou, e a Mamãe pediu para tomarmos café da manhã em algum lugar. E então fomos! Ao sair da padaria ela quis ir no Ibirapuera. Já imaginava que teríamos algum problema para estacionar, já que o dia estava relativamente bonito (sol, algumas nuvens, mas não estava frio), então o parque devia estar cheio. E estava! Ao ver a fila para entrar pelo portão 3 (o da Bienal) nem cogitei a hipótese de tentar uma vaga lá dentro. Por sorte só precisamos dar uma única volta pela Av. IV Centenário e conseguimos uma vaga.

Fui pegar o carrinho, e quando estava colocando o moisés a Mamãe lembrou que o Biscoito deve ficar no bebê-conforto, por ser ainda muito pequeno. Ela tinha razão! Peguei o bebê-conforto (que ela já havia soltado do banco), e tentei encaixar no carrinho. Você lembrou de levar os dois suportes que prendem o bebê-conforto no carrinho? Sim? Bom pra você! Eu não lembrei. Culpa minha que não estavam no carro e sim no armário no quarto do Biscoito. Muito úteis no armário, aliás.

Então vamos de moisés mesmo. Cadê a cobertura, para o sol não ir direto na cara dele? Tá lá no armário, fazendo companhia para os suportes. Troféu Joinha pra mim!

Então vamos fazendo sombra pra ele, nos momentos em que o sol bater na cara dele. Já estávamos lá, estacionados, com o carrinho montado…ir embora seria besteira. Demos meia volta pela pista de cooper, onde grande parte do trajeto ele foi no colo já que a pista é com cascalho e pedras, então o carrinho balança bastante.

Ele estava bem acordado, prestando atenção em tudo! Não chorou em momento algum!! Acredito que tenha gostado bastante do passeio. Como já estava perto da hora de mamar de novo, fomos em direção ao bosque da leitura, que sabia haver bancos para sentarmos e poder dar a mamadeira tranquilamente.

Bem…tranquilamente naquelas! A mamadeira já estava fria, então o Biscoito não curtiu muito. E só pra completar, o tempo deu uma pequena fechada e esfriou (já que o sol tinha dado sumida). Aí Mamãe ficou preocupada que pudesse chover e fomos mais que depressa em direção ao carro. Eu não estava muito preocupado com chuva (não tava com cara nenhuma), mas sim com a esfriada no tempo. Nós estávamos com agasalhos, o Biscoito estava bem vestido e tínhamos com mantas para ele, mas ainda assim vento frio não é legal. Ele foi o caminho todo no colo da Mamãe, que engatou uma quarta marcha cortando ciclistas, skatistas, corredores, cães e afins, e eu lá atrás tentando acompanhar travando com o carrinho em cada raiz de árvore.

Lá pelo meio do caminho o Biscoito já estava dormindo, pois estava coberto, no colo, andando. Melhor impossível!

Assim que chegamos no carro, um outro já parou na rua esperando que saíssemos para estacionar. Só que não contava que eu ainda precisava reinstalar o bebê-conforto! Devo ter levado uns 5 minutos, mais ou menos. De vez em quando eu ouvia algumas buzinadas, mas não sei se era do carro esperando pela vaga ou de outros carros querendo passar por ele. Só sei que quando terminei, e fui pro lado do motorista pra entrar, olhei pra eles e a mulher que estava de passageiro já estava com o vidro abaixado e parece que ia falar algo, com cara feia. Quase me deu vontade de dizer “ainda vai demorar aqui, pois vamos dar de mamar para o bebê“. Ainda tinha pelo menos mais uma hora de Zona Azul.


Dia 42 – O primeiro passeio de verdade


Ou quase isso! Mamãe tinha que ir ao médico, e obviamente eu a levaria. Então o Biscoito foi conosco.

Durante o dia ele estava inquieto, meio irritado, sem dormir muito. Bastava colocar no berço e alguns minutos depois começava a resmungar e chorar. O médico foi no final da tarde, e estávamos com receio de que ele se estressasse muito.

O caminho de ida foi muito tranquilo. Como quase sempre acontece com a maioria dos bebês, foi só o carro começar a se mover que ele dormiu. Acordou quando chegamos no médico. Mamãe teve que dar um pouco de peito para acalmá-lo, pois ele já estava começando a resmungar enquanto esperávamos o atendimento.

Na volta paramos numa padaria para comermos algo, mas principalmente para dar a mamadeira pra ele, pois já estava no horário, e não ia dar pra chegar em casa, e tirar ele do bebê conforto com o carro em movimento é uma possibilidade que não existe. Ele foi tranquilo o caminho todo. Na padaria tomou a mamadeira quase inteira! E aí fomos para casa.

Horário de pico, muitos carros na rua, movimento, trânsito. Faltando pouco mais de 1 quilômetro pra chegar em casa, pegamos trânsito pesado, do tipo ficar vários minutos parados. Aí ele abriu o berreiro! Não estava com fome pois tinha tomado a mamadeira há pouco tempo, não estava com frio porque no carro estava quente. Talvez estivesse incomodado por estar preso no bebê conforto, mas ele não é de resmungar quando fica meio apertado (no berço, no colo…). Chorou, chorou, chorou, se esguelou tanto que a voz deixou até de sair!

Para tentar acalmá-lo Mamãe tirou a coberta que ele estava e as meias. Como que por milagre ele parou de chorar! Ou começou a ficar entretido por estar com os pés pra fora, ou o que eu acho o mais provável, estava com calor! Até porque estava suando bastante, só não soubemos se era de tanto chorar ou por causa do calor.

Algumas considerações sobre esse passeio: estávamos mais bem preparados, levando tudo que precisamos e sem acidentes (na segunda visita ao pediatra também levamos mamadeira, que estava mal fechada e acabou vazando a água toda), mas não dá para ficar muito tempo no carro por enquanto! Ele se estressa e começa a chorar. Eu não tenho problemas com o choro, mas obviamente não gosto pois indica que ele está incomodado com alguma coisa, e tudo que não quero é deixar meu filho incomodado.