Tag: brincar


Imaginação solta


Desde cedo o Tomás ganhou livros, que nós compramos ou que foram dados de presente. De vez em quando nós tentamos sentar com ele e ler algum, mas a vaca-louca não pára e não conseguimos, às vezes, sequer mudar de página.

Tem alguns que ele adora, principalmente os de colorir. Claro que ele pinta e rabisca totalmente o livro ao invés de colorir de fato. Mas se garranchos são considerados arte moderna, por que ele precisa fazer o que se espera?

Um grande amigo deu de presente pra ele a assinatura de um clube de livros, A Taba. Uma vez por mês é enviado um livro com temática infantil selecionado por eles. Todos os enviados até hoje foram muito bons e interessantes.

Nem todos possuem textos, mas são sempre cheios de imagens, então para crianças não alfabetizadas também é interessante. O livro de novembro de 2018 foi Bocejo. Bem interessante porque conta apenas com ilustrações, e cada uma delas possui diversos detalhes que fizeram eu e a Mamãe olhar cada uma das páginas detalhadamente, e rir com o que encontrávamos. O Tom ainda é pequeno demais para perceber esses detalhes…

Com o livro de dezembro, Ter um patinho é útil, o Tom fez algo que ninguém esperava: a sua primeira fortaleza!!

WhatsApp Image 2019-01-21 at 10.47.30

Tomás e sua fortaleza

Ele já havia nos surpreendido outra vez, quando reuniu todos os seus “amiguinhos” para o almoço, que ele mesmo serviu. Pegou todos os bonecos de pelúcia, colocou no chão da sala aos pés do sofá, em fila, pegou a tijela na qual ele come, uma colher, e foi dar comida para cada um deles.

 

 


E começa a vida estudantil


Nós queríamos ter colocado o Tom na escolinha ainda no ano passado, antes do nascimento do Gael. Isso evitaria que ele achasse que estava sendo trocado pelo novo bebê, nos ajudaria – talvez – a controlar melhor a energia dele (ou falando no português correto, fazer ele gastar a energia de sobra que tem), e faria ele ter mais contato com outras crianças. Mas por uma série de fatores, não conseguimos.

Com a chegada do Gael ficou evidente que seria muito difícil ficar com os dois o dia inteiro em casa, e o Tom precisa sair, precisa brincar, se divertir, expandir os horizontes, ter novas experiências, e para isso a escola seria essencial.

No começo de 2018, antes da gravidez do Gael, chegamos a procurar escola para ele. Visitamos mais de 20. Algumas boas, outras ruins. Algumas caras, outras muito caras. Foi o suficiente para saber que não há escola perfeita, e que a escolha teria que ser um misto de afinidade, atendimento, distância de casa, extras oferecidos e, claro, valor.

Optamos por uma em que o atendimento foi espetacular. A escola não é grande e possui apenas o ensino infantil. Então em poucos anos ele sairá de lá. Mas nós gostamos dela! Matriculamos o Tom para já começar no curso de férias, assim a adaptação é mais fácil já que por enquanto é apenas brincar, e com poucos alunos.

Dia 02 foi o primeiro dia dele. A Mamãe e eu o levamos. Ele não chorou nada e já foi brincar. Na hora que fomos buscá-lo e ele nos viu, abriu um sorriso que é daqueles que espanta o mais triste pensamento e alegra o mais pesado coração!! E quis nos apresentar a sala dele…nos pegou pela mão e nos levou para dentro.

Ele já pintou, desenhou, cantou, fez amigos, ganhou apelido, só não conseguiu ir na piscina. Não, a escola não tem piscina, mas na sexta-feira eles iam montar uma para os pequenos. Só que como choveu e ventou muito, acabaram apenas molhando os pezinhos. Imagino que ele tenha reclamado um pouco ao sair…

Como está estudando à tarde, nós estamos tentando mudar um pouco os horários em casa. Ele sempre acabava indo pra cama por volta das 22:00, 23:00. Agora estamos tentando fazê-lo ir entre 20:00 e 21:00. É um horário possível, pois na escolinha ele não costuma dormir (até hoje dormiu apenas um dia), então chega em casa cansado. Às vezes é uma batalha para ele não dormir no carro, no trajeto de 5 minutos entre a escola e nossa casa. Mas estamos conseguindo, aos poucos.

Acredito que ele esteja gostando bastante, pois na hora de ir embora é sempre um sufoco colocá-lo no carro. E pelo fato dele ser extremamente curioso (o que eu particularmente acho espetacular), cada dia é um novo aprendizado.


Das Pequenas Coisas


É fascinante acompanhar o desenvolvimento de uma criança, as pequenas descobertas, o surgimento de manias, e os atos inesperados deles.

O Biscoito come bem, e come de tudo, por enquanto! Dizem que quando chega por volta dos 2 anos ocorre uma mudança alimentar onde tudo que comia até essa idade deixa de comer. Espero que não aconteça. Mas ele tem um costume: adora comer com um garfo ou colher. Só que não usa o talher para comer…o objetivo é apenas segurá-lo. Não importa se é uma coxa de frango, arroz com feijão, tomate ou sopa, ele come com a mão. E se não estiver segurando alguma coisa, reclama, chora e esperneia até darmos algo.

O fato dele comer com a mão até certo ponto é culpa nossa, que o incentivávamos a pegar os alimentos com a mão para sentir a textura. Talvez isso dê um pouco de trabalho quando ele for pra escolinha, nos dá trabalho hoje pois após as refeições sempre rola um mini-banho para tirar os restos de comida do cabelo, pescoço, roupas, cadeirinha, chão, mesa…mas eu particularmente acho ótimo! Ver ele comer bem, de tudo e sem frescura me deixa contente.

Quando vamos sair, sempre pedimos pra ele ir buscar um brinquedo para levar. E ele sempre sabe o que pegar! Não fica olhando aqui e ali procurando algo. Vai direto no que quer! Teve um dia que estávamos saindo, já um pouco atrasados, então nós esquecemos de pedir pra ele. A Mamãe já estava segurando a porta do elevador, com ele, e eu fechando a casa. O Biscoito entrou de novo em casa, “correndo”, foi no meio da sala e pegou um brinquedo da pilha que tava ali. Nem titubeou no brinquedo, ele já sabia o que queria. E saiu correndo de volta pro elevador.

Se ele quer algo que está guardado, não tem tempo ruim. Pega a Mamãe ou eu pela mão, leva até o quarto, mostra onde o brinquedo está para que nós abramos a caixa, pega o brinquedo e volta pra sala com ele na mão.

Um calçado que nós usamos muito é um sandália crocs. É feia? É!! De doer! Mas é muito confortável, fácil de colocar e fácil de tirar (depois que você aprende, claro), e dá pra usar com meia nos dias frios e sem nada nos dias quentes. Mas ela tem um defeito (ser feia nem conto mais como defeito, diria que já é uma característica): pega cheiro muito fácil! Ou então o Biscoito é que tem chulé mesmo. Muitas vezes nós pegamos o pé dele, damos uma fungada e fazemos movimento com a mão de cheiro ruim, falando pra ele “que chulé”. Na maioria das vezes tem chulé mesmo, só pra constar. Ontem ele estava na nossa cama, depois de colocado o pijama, e pegou o crocs. Deu uma cheirada. E fez o movimento de cheiro ruim! Nem preciso dizer que rolaram lágrimas de tanto rir…


Dia T547 – Choro, muito choro, mas com alegria


Neste dia era o retorno com o ortopedista, para retirar a tala de gesso que o Biscoito estava usando, tirar uma radiografia e ver como estava a fratura. É realmente incrível, no mal sentido, o medo que o Biscoito tem de médico. Definitivamente as visitas que fizemos ao hospital, e a consulta com uma pediatra que devia ser pedreira numa dessas vezes, deixaram sequelas no pequeno.

Para tirar a tala ele se desesperou, mas conseguimos tirar. Depois para fazer a radiografia foi outro sufoco. Mesmo ele tendo que ficar deitado apenas alguns poucos segundos, foi necessário que eu o segurasse e o médico segurasse a perninha na posição correta para que o técnico pudesse acionar a máquina. E chorou muito, mas muito! Se eu realmente não soubesse que isso era necessário, não teria deixado fazer.

O resultado foi melhor que a encomenda: a fratura estava se consolodidando melhor que o esperado, e não seria mais ncessário colocar gesso! A previsão era que ele colocasse um botinha de gesso entre o joelho e o pé. Mas como na radiografia a fratura não mais aparecia, o médico disse que não seria necessário. Liberdade!! Apesar que o médico já achava que seria assim mesmo ao ver ele entrando no consultório andando, com as próprias perninhas, apesar da tala.

A recomendação era de que o deixássemos o mais à vontade possível, sem estimular, sem forçar nada, pois como ele ficou 10 dias com uma tala que ia da coxa até o pé, poderia ficar com os movimentos prejudicados por algum tempo e até com dor. E assim estamos fazendo. Tentamos evitar que suba nas coisas, mas só tentamos, pois ele não tá nem aí.

Ainda está andando um pouco cambaleante, e não dobra o joelho totalmente ao andar, ficando meio duro. Mas dia a dia está melhorando e cada vez se movimenta melhor.

Só não contávamos com um resfriado no meio do caminho que está fazendo ele não comer direito nem dormir bem…


Dia T541 – Podia estar chorando, podia estar resmungando…


A maioria das pessoas acha que o adulto sempre deve ensinar tudo às crianças, pois estas não sabem de nada ainda. Em parte é verdade. Mas há coisas que as crianças podem ensinar aos adultos, e se estes aprendessem a vida seria tão mais simples, tão mais gostosa para todo mundo.

Os adultos poderiam, por exemplo, aprender sobre diversão. Para uma criança tudo é diversão. Por que para um adulto também não pode ser? O adulto precisa ser sempre sério, obtuso? Não é possível trabalhar com alegria e felicidade? Isso com certeza deixaria o ambiente muito mais agradável e o trabalho, por mais enfadonho que possa ser, mais leve.

Também poderiam aprender sobre resiliência. Resiliência? Pois é! Você não verá uma criança que nasceu sem uma mão chorando porque o amiguinho ao lado tem as duas. O que você verá é ela brincando como outra criança qualquer, e se adaptando ao mundo para usar uma mão apenas.

O Biscoito está com a perna engessada. A recomendação é que ele fique o mais quieto possível, não porque a fratura pode piorar, mas porque o pior que pode acontecer é o gesso quebrar! Aí teremos que ir ao hospital para colocar outro. Mas como deixar um bebê super ativo como ele, parado? Impossível! Principalmente porque ele não vai parar de querer brincar só porque está com gesso.

Hoje a Mamãe deixou ele no tapete da sala, com alguns brinquedos em volta. Não consigo andar para pegar o brinquedo que está longe? Não tem problema!! Posso me arrastar!

Brincar é muito mais importante que se lamentar.

Atrapalha? Incomoda? Com certeza!!! Mas a vida não para! Ele quer brincar, se divertir, assustar o Papai e a Mamãe (de brincadeira), continuar a descer no escorregador, tomar sol, passear, ter contato com outras crianças….ele quer continuar a ser ele mesmo! E isso gesso nenhum vai impedir!


Dia T538 – O primeiro gesso


Neste dia tínhamos um aniversário num buffet. Mas não era um buffet qualquer, era um baita (acabei de revelar minha idade) buffet! Cheio de brinquedos para adultos e para crianças. Inclusive bebês! O aniversário era de 1 ano.

A Mamãe estava ansiosíssima pelo dia, pois seria a primeira festinha em buffet do Biscoito no qual ele poderia escolher onde ir, pois todos os lugares ele poderia (alguns conosco, claro). Nós chegamos ele já saiu correndo subindo, descendo, indo pra piscina de bolinhas, no cavalinho….não tínhamos ainda nem cumprimentado o aniversariante e seus pais e ele já estava fazendo a festa.

Passamos por um escorregador, que é mais ou menos um tobogã pois é fechado, e achamos que ele ia gostar, já que ama descer em escorregadores. Eu iria junto, claro! Não dava pra deixar ele ir sozinho. Tirei meu calçado, já que com ele poderia parar no meio do brinquedo pelo atrito com as paredes, coloquei o Biscoito no meio das minhas pernas, bem seguro, e lá fui eu! No meio do brinquedo ele começou a chorar. Achamos que poderia ter se assustado.

Depois que o acalmamos, percebemos que ele não estava conseguindo ficar de pé. Ele não estava firmando a perna direita. Achamos que poderia ter se machucado e fosse alguma dor momentânea, então esperamos mais um pouco, com ele no colo. Tentamos de novo, mesma coisa. Fomos embora da festa direto pro hospital.

Alguns raios-X depois, apareceu a causa do choro: uma trinca na tíbia. Na descida ele deve ter prendido o pé no brinquedo, e torceu a perna. Como os ossos ainda são molinhos, com essa torção a tíbia trincou.

O resultado foi uma perna engessada, do pezinho até a metade da coxa, por uns 10 dias.

Consultamos um médico particular, porque o atendimento no PS foi péssimo (engraçado como médico muitas vezes atende mal e com prepotência, enquanto enfermeiros são sempre solícitos e simpáticos), e ele nos acalmou bastante dizendo que a tala foi muito bem colocada (pelo enfermeiro!) e que esse tipo de fratura não trará nenhum mal ao Biscoito. Só precisamos mesmo cuidar pra que ele não exagere nas estripulias enquanto estiver com a tala. Não tanto pela fratura, mas porque se ele exagerar e quebrar o gesso, teremos que ir ao hospital colocar outro.

E aqui vai um aviso importante: sempre que colocar uma criança nesse tipo de brinquedo, coloque sem calçados, para que não haja o risco do calçado prender e torcer a perna. Só de meias, porque o pezinho também pode ficar preso se estiver um pouco suado.

A Mamãe e eu entramos em contato com o buffet para contar o que aconteceu, e eles mudarão a recomendação para uso do brinquedo. Eu acredito que em momento algum eles tiveram qualquer responsabilidade pelo que aconteceu. Foi uma fatalidade. Ainda bem que nada de mais grave aconteceu, então todos podemos aprender com isso e seguir nossas vidas.


Dia T511: Não deixo ninguém pra trás!


Neste domingo recebemos a visita de amigos na nossa nova casa. O Biscoito ainda está descobrindo tudo, principalmente a bagunça, já que nem tudo está no seu devido lugar.

Ele ficou brincando bastante com o Ben, e descobrimos que fixação por vassouras e rodos não são exclusividade do Biscoito. Na hora do jantar, se o Ben pudesse, tenho certeza que cortaria qualquer laço de amizade e contato! O Biscoito pega a comida com a mão, enfia na boca, mastiga, tira, coloca de volta…e se for fruta tira, guarda, pega outro pedaço, tira, coloca o anterior de volta para aproveitar o resto do suco, troca de novo, em suma, faz uma lambança sem tamanho. A cara do Ben ao ver ele fazer isso era algo de outro mundo, bem coisa do tipo meu, o que você está fazendo? Não é assim que se come!

Mas o principal aconteceu na hora em que foram todos embora. Descemos para acompanhar todo mundo até o portão, e ao chegar no térreo o Biscoito disparou na frente de todo mundo. A Mamãe virou pra ele e perguntou cadê o Ben? Vai deixar ele pra trás? Vai buscar ele!

E ele voltou até onde estava o Ben, e gentilmente (#sqn) deu um empurrãozinho para que o Ben andasse. A cada parada que ele dava, um empurrão nas costas. E em momento algum ele deixou o amiguinho para trás!


Dia 349 – Bolinhas, dança e sujeira, muita sujeira!


O carnaval começou oficialmente neste final de semana, com vários blocos nas ruas, festas fechadas e movimento pela cidade. E o Biscoito não poderia ficar de fora! A Mamãe ficou de olho nas redes sociais™ em busca de bloquinhos para bebês, e vimos um em Moema, no domingo. Região relativamente segura, perto de casa, bloco infantil com direito a comida para adultos, perfeito!

Nesse mesmo dia, uma brinquedoteca chamada Cadê Bebê faria uma seção especial. Normalmente eles cobram por hora ou então um pacote mensal, mas nesse dia era um valor diferenciado para brincar o dia inteiro. Ficamos entre ir no bloquinho ou ir na brinquedoteca. Ganhou a brinquedoteca.

O espaço é muito amplo, com bastante brinquedos. Mas teve dois em especial que o Biscoito adorou: uma piscina de bolinhas que era mais uma vala de bolinhas, pois era bem rasinha, e uma outra, essa sim funda! Até eu entrei nela para ajudar o Biscoito. Tinha até uma bebê que literalmente se jogava na piscina! Ele brincou bastante ali.

O momento mais divertido foi, sem sombra de dúvidas, a parte da pintura. Eles forram o chão, dão um papel para cada criança, um pincel e tinta. O pincel é uma folha de couve. A tinta vermelha é suco de beterraba, a verde é suco de espinafre e a laranja é suco de cenoura. E tá pronta a farra!

Havia cerca de 6 ou 7 crianças pintando, mas apenas o Biscoito e outros 2 que efetivamente entraram na brincadeira e enfiaram a mão na massa…quer dizer, na tinta!

Chegaram a disponibilizar uma bandeja com bastante suco de beterraba….eu estava torcendo pro Biscoito se enfiar dentro dela! Mas ele só a virou no chão!

Depois dessa brincadeira toda não tinha outro jeito a não ser dar um banho, pro qual o espaço também está preparado com água quente, duxinha, sabonete, xampú e toalhas.

Para finalizar foi montada uma roda de dança, para que pais, mães e filhos se divirtam juntos cantando e dançando.

O local não estava assim um primor de limpeza, com areia em alguns pontos, que depois descobri de onde vem: eles possuem um tanque de areia, então é de se esperar que conforme as crianças passem de um espaço para outro acabem espalhando a areia por todo lugar. Há espaços para bebês e também para crianças maiores, contando com uma lanchonete e um espaço para festas no andar superior. A equipe é muito cuidadosa e prestativa.

Eu fiquei muito feliz de ter ido com a Mamãe e o Biscoito ali, e tenho certeza que ele também adorou! Pretendemos voltar com ele, sem sombra de dúvidas, para mais umas nadadas e umas pintadas.


Dia 336 – Beijinho, Beijinho, corre que o Papai vem aí!


Quase todo dia de manhã, ao acordar, a Mamãe me liga via Facetime para dar bom dia e para eu dar bom dia pra ela e pro Biscoito. E todas as vezes ele coloca o celular na frente do Biscoito para que eu o veja e ele me veja. Já tem um bom tempo que ele me reconhece, muitas vezes até tentando pegar o celular (e às vezes conseguindo). Antes de desligar eu mando beijos para ele….e nesta segunda-feira ele mandou um beijo de volta!

Ok, não foi assim um beijo de verdade, mas o movimento da boca indicou que era isso exatamente o que ele queria fazer! Surpresa e felicidade total minha e da Mamãe!

E neste mesmo dia ele demonstrou mais uma vez que já está com vontades próprias. Sempre que está no chão nós temos que ficar atrás dele para evitar que pegue chinelos, sapatos, sacolas, fios, rabo de gato, etc. Nós tínhamos acabado de chegar, e compramos uma roupinha pra ele. Tiramos a etiqueta, para colocar a roupa pra esterilizar, e a etiqueta caiu no chão. Ninguém viu e ficou ali por um tempo, até que o Biscoito engatinhou até ela, cuspiu a chupeta, pegou o papel e foi colocar na boca. Nessa hora eu vi, e fui até ele dizendo as palavras mágicas que todo bebê aprende a reconhecer imediatamente: “não, não pode!“.

O que ele fez? Segurou o papel e antes que eu chegasse saiu em disparada, fugindo de mim! Claro que o saindo em disparada não é nem de longe uma velocidade Usain Bolt….tá mais pra Dorival Caymmi pós-feijoada, e 1 metro depois o peguei e tirei a etiqueta da mão.


Dia 329 – A Primeira Peça


Papai e Mamãe sempre fecham a porta do banheiro quando estou no chão. Acho uma tremenda sacanagem! Tem tanta coisa legal lá….tem um lugar que se empurrar um troço transparente, ele dobra e às vezes cai água do teto! E tem um monte de coisas grudadas nas paredes, que parecem desenhos.

E aquele negócio branco que parece um troninho e tem tampa? Eu quero ver o que tem dentro mas ninguém deixa! Sempre tiram minha mão quando vou levantar a tampa ou Papai coloca o joelho pra impedir, enquanto ele está enchendo a banheira pro meu banho!

Eles também fecham a porta do quarto deles. Eu adoro lá dentro! Quase sempre tem algum sapato no chão pra eu sentir o sabor! Também tem um tapete tão gostoso, que adoro ficar sentado nele enquanto puxo aqueles fios pra tentar fazer a TV descer e ficar mais fácil pra ligar e desligar. Sem contar aquela caixa grande atrás do armário, de onde o Papai tirou uma vez um negócio esquisito com um monte de cordas que ele fez sair som…..gostei tanto!! Pena que ele não faz isso muitas vezes….

Pelo menos meu quarto sempre fica aberto! Também, lá estão todos meus brinquedos! Eles iam ver só se o deixassem fechado! Hoje eu descobri um lugar muito legal, novo, e não sei porque a Mamãe ficou tão brava ao me ver ali! Ela sempre tenta me colocar lá em cima para dormir, mesmo eu já tendo falado pra eles várias vezes que prefiro dormir com eles. Entrei embaixo do berço e descobri várias caixas fechadas, que não consegui abrir! Será que são brinquedos que eles estão guardando pra mim? Se eu pedir com jeitinho será que eles me dão agora?

Quando o Papai chegou, eu entendi o porque da Mamãe ter ficado brava quando fiquei embaixo do berço…hihihi! Eu estava brincando enquanto ela cuidava da casa, e quando ela foi me procurar não me encontrou! Buscou em todo lugar, e eu fiquei quietinho pra ela não perceber onde eu estava pois ela ia querer me tirar de lá, tenho certeza!! E lá é tão gostoso, fresquinho, escurinho! Só que aí acabei fazendo barulho e ela percebeu…mas não brigou comigo não! Acabou achando engraçado, só não sei por que…