Experiências Gastronômicas


Aviso: se você tem estômago fraco, o problema é seu. Teje avisado.

O Biscoito começou a alimentação sólida há algumas semanas. Por alimentação sólida entenda-se, no começo, apenas frutas. Como ele se deu relativamente bem com as frutas, partimos para as papinhas.

Agora eu entendo porque tem tanta gente que dá papinha industrializada. São por baixo umas 4 horas de preparação entre limpar, cortar, botar pra ferver, ficar mexendo, amassar, peneirar, esquentar de novo e guardar. Isso para fazer papinha para uma semana, 10 dias no máximo. Claro que não é apenas uma única mistura, mas 2 ou 3 papinhas diferentes.

O Biscoito já comeu cenoura, couve-flor, ervilha, cará, batata, mandioquinha, beterraba, abóbora, abobrinha…..e carne. Tudo fervido, amassado e peneirado, como mandou o Dr. Atra. Nada de mixer nem liquidificador. Até compramos outra peneira para tentar melhorar o processo!

Algumas misturas ele gostou muito mais que outras, como era de se esperar! Gostou de todas que tinham cenoura e adorou com beterraba. Ou com abóbora? Não importa! O que importa é que seja relativamente doce, óbvio.

As frutas já demos (ou tentamos) maçã, pera, manga, laranja, banana, mamão e melancia. O mamão foi o que teve menos aceitação. A maçã e a pera não foram bem na primeira tentativa, mas uma pera que estava especialmente aguada foi quase toda devorada por ele! A banana desnecessário comentar.

Para a laranja nós fazemos diferente: ganhamos um alimentador, que ao invés do bocal de borracha possui uma redinha, dentro da qual coloca algum alimento, e o bebê vai chupando o suco. Dessa forma também estimula a mandíbula (já que ele tem que sugar o alimento), coça a gengiva, e ainda diverte ele! Mas não sempre, já que às vezes a Mamãe dá um pedaço da laranja mesmo.

Nossa maior alegria foi com a melancia. Imagina uma criança descobrindo o brigadeiro naquela festinha infantil e levando a bandeja para o banheiro! Foi ele com o pedaço de melancia, nas duas vezes que demos…e nas duas vezes depois da fruta foi direto pro banho.

A experiência mais marcante, com toda certeza, foi com o ovo. O Dr. Atra mandou dar uma gema de ovo 3 vezes por semana. Até aí, tranquilo. É só ferver, tirar a clara, amassar a gema e misturar na papa. Qualquer um faz isso com o pé nas costas.

O problema é na hora que o ovo “sai” do bebê. Para trocar a fralda precisamos montar uma operação de guerra, enrolando uma camiseta encharcada de perfume no rosto, para cobrir boca e nariz, e depois deixar o quarto dele (onde fica o trocador) por algumas horas com a janela bem aberta. A fralda? Devidamente embalada em outro saco, bem amarrado, para evitar contaminações extras. O pior é que isso deve ter sido apenas um prenúncio do que virá no primeiro feijão…e nem imagino como será no primeiro repolho!