Dia 4 – ida ao hospital


O dia estava correndo razoavelmente bem, até que no final da tarde o Biscoito começou a chorar muito. Mas chorar de se esguelar mesmo!

Nós, país de primeiríssima viagem, ficamos preocupados. Não sabíamos se era fome, cólica, frio, calor, sede (não tinha passado pela minha cabeça, por incrível que pareça, que às vezes o bebê pode querer mamar porque está com sede!), então virei pra Mamãe e falei “troca de roupa que vamos pro hospital”.

Nossa sorte é que Mamãe manteve a calma nessa hora (ela já tinha ficado nervosa com o choro, mas se acalmou quando disse para ir ao hospital). Muita sorte pois ficamos uns 10 minutos tentando colocar o Biscoito no bebê conforto! Não conseguia de jeito nenhum acertar o encaixe do cinto.

Após conseguir ajeitar o Biscoito, o próximo detalhe que esqueci: qual hospital??? Já na rua, andando com o carro, verificamos se o plano de saúde cobria o Sabará. Sim. Lá fomos nós.

Na ida para o hospital já ficou claro que ele curte um carro, para variar. Só começou a chorar quando o carro ficou parado até decidirmos onde ir.

No hospital fomos atendidos rapidamente, pois além de ser recém-nascido havia pouco movimento. No pré-atendimento o primeiro susto: a temperatura dele era de 38.6 graus! Nessa hora eu vi a Mamãe congelando. A enfermeira disse que ele estava com muita roupa, por isso devia estar com essa temperatura. Pediu para tirar um pouco e em 10 minutos mediria de novo. Não deu outra: baixou!

A médica que nos atendeu disse que não havia nada de errado com ele. Então voltamos pra casa mais tranquilos, até porque ele tinha ganhado um pouco de peso: estava com 2,540Kg. Então a principal preocupação da Mamãe, que era não estar conseguindo dar leite para o Biscoito, passou.

Nos deu diversas recomendações, e a Mamãe até brincou que faltou apenas uma coisa: o telefone do consultório dela para marcarmos uma consulta. Mas ela atende apenas no hospital, e ao sair disse que se precisássemos estaria novamente no plantão no dia seguinte (e depois só dentro de 15 dias). Agradeci e disse esperar não precisar!