Dia 221 – Chama o Padre Quevedo!


Estávamos Mamãe e eu saboreando um delicioso pão com manteiga no balcão da cozinha junto a um fumegante café de coador, com o Biscoito placidamente sentado no sofá assistindo seu desenho predileto: Luna! Ou Mundo Bita! Ou Canções de Ninar! Ou seja lá o que estivesse passando pelo YouTube naquele momento.

Nós estávamos com visão total sobre ele, então posso garantir que ele estava placidamente sentado, sim!

Mamãe e eu conversávamos sobre aleatoriedades do dia a dia, como a queda do dólar, a taxa de popularidade do Trump, o último eliminado do Masterchef, a gritaria da última hora no Twitter/Facebook, quando o volume da TV aumentou um pouco.

Normal…muitos canais de TV aumentam o volume durante as propagandas, só para irritar as pessoas.

Aí ele diminuiu bastante. Isso não é normal, até porque não foi o volume do programa que baixou, mas o volume da TV (apareceu o indicador de volume), e ela estava passando vídeos do YouTube que (ainda) não fazem isso. Aí eu olhei pra Mamãe, ela olhou pra mim, e nessa pequena troca de olhares passaram por nós indagações do tipo “seria o prédio construído sobre um cemitério indígena?”, “estaria a TV possuída por um espírito brincalhão?”, “teria o vizinho descoberto a senha do WiFi e pelo celular estaria nos trollando mexendo no volume da TV?”, “teria a TV ficado maluca e estaria alterando o volume sozinha?”, e antes que corrêssemos para as montanhas gritando “salve-se quem puder”, fui até o sofá onde o Biscoito estava placidamente sentado.

E ele continuava placidamente sentado….com o controle remoto da Net se afogando na boca. Controle esse que também mexe no volume da TV.

Resgatei o controle, troquei pela tartassauro, e após constatar que ele (o controle) ainda funcionava, voltamos ao nosso café.