Dia 110 – Aventuras no porta-malas


Nós saímos o dia inteiro neste domingo, e em dado momento eu fiquei com o Biscoito no carro, cuidando dele. Procurei um lugar calmo e com sombras para que o sol não ficasse na cara dele, estacionei o carro, e fiquei brincando e conversando com ele na parte de trás. Deu hora da mamadeira, preparei e comecei a dar. Percebi que ele estava fazendo força. Isso quer dizer cocô. Aí começou o barulho…a cada som que vinha da parte inferior do Biscoito o desespero aumentava dentro de mim.

Quando parou de mamar nem precisei colocar o nariz na bunda dele para sentir que realmente havia feito o serviço. Sem contar que nem mamou tudo! Ele não gosta de ficar sujo!

Ia precisar trocá-lo! Olhei pros bancos do carro, e ali seria impossível! Eles são inclinados. Olhei pro piso, no espaço entre o banco dianteiro e o traseiro…tem um bom espaço ali! Ele caberia! O problema é que eu não teria onde ficar, e seria bem ruim pois a porta não deixaria ter muita movimentação.

Estava perto de um shopping….e se fosse até lá pra trocar no banheiro? Poderia ser uma boa ideia. Só que era o shopping Tatuapé. Imagina um shopping cheio. Não, mais gente. Dobra. Então, ainda não chegou perto de como é aquele lugar! Não vou entrar num shopping cheio de gente com o Biscoito. E se procurar uma farmácia, pra pedir pra usar o banheiro? Minha cara de pau não chega a tanto….ainda.

Aí me deu um estalo! O porta-malas do carro é grande, bem grande! Basta tirar a casa que tá nele que vai ter bastante espaço pra trocar o Biscoito. Resolvido!! Só que não dá pra fazer isso na rua. Então fui pra um estacionamento….cheguei lá e o diálogo:

– Boa tarde! Eu posso ficar no carro aqui?

O rapaz fez uma cara meio esquisita, enquanto me dava o ticket.

– É que estou com meu filho e preciso trocá-lo! Vou ter que montar uma operação de guerra!

O cara riu…

– Pode, sem problemas!

Estacionei o carro, e lá fui eu tirar tudo do porta-malas pra abrir espaço. Forrei a tampa do estepe com meu agasalho, coloquei o trocador, e lá fui eu, todo feliz por ter achado uma solução e poder limpar o Biscoito. Até o momento em que tiro a calça dele.

Vejo que vazou um pouco do lado e sujou a calça. Ok, vou ter que trocar a roupa dele também. Na hora que eu abro a fralda…só não chorei porque tinha que parecer forte e que estava no controle pro Biscoito não se assustar. Não vou descrever a cena porque você, caro leitor, pode estar se alimentando. Mas posso dizer uma coisa: era terra arrasada! Se estivéssemos em casa era caso de banho completo!

Limpei o que deu com a fralda, e passei a usar os lenços umedecidos. Quando peguei o pacote dos lenços, e senti que estava fininho, gelei. Mas mantive a calma pensando que talvez houvesse outro fechado na bolsa. É….não tinha. Se não bastasse eu estar num estacionamento, com o porta-malas aberto, um bebê dentro dele sem as calças, ainda teria que otimizar o uso dos lenços! Já comecei a pensar qual peça de roupa minha usaria pra limpar tudo e depois jogar fora. Usei o primeiro lenço, e só deu pra dar uma passada.

O segundo consegui dar uma segunda passada. O terceiro também deu pra uma segunda. Reservei o quarto e último para uma emergência. Santa decisão! Na hora que olho a roupinha dele, nas costas, vi que vazou por ali também, e ele está sujo. Tirei a roupa toda, limpei as costas com o lenço que sobrou, e o vesti.

Saldo final: uma calça, um body e um trocador sujos, um bebê relativamente limpo e um pai feliz que agora já sabe que numa emergência dá pra usar o porta-malas do carro.

E o Biscoito mamou o resto da mamadeira e dormiu.