Mês: agosto 2018


Dia T547 – Choro, muito choro, mas com alegria


Neste dia era o retorno com o ortopedista, para retirar a tala de gesso que o Biscoito estava usando, tirar uma radiografia e ver como estava a fratura. É realmente incrível, no mal sentido, o medo que o Biscoito tem de médico. Definitivamente as visitas que fizemos ao hospital, e a consulta com uma pediatra que devia ser pedreira numa dessas vezes, deixaram sequelas no pequeno.

Para tirar a tala ele se desesperou, mas conseguimos tirar. Depois para fazer a radiografia foi outro sufoco. Mesmo ele tendo que ficar deitado apenas alguns poucos segundos, foi necessário que eu o segurasse e o médico segurasse a perninha na posição correta para que o técnico pudesse acionar a máquina. E chorou muito, mas muito! Se eu realmente não soubesse que isso era necessário, não teria deixado fazer.

O resultado foi melhor que a encomenda: a fratura estava se consolodidando melhor que o esperado, e não seria mais ncessário colocar gesso! A previsão era que ele colocasse um botinha de gesso entre o joelho e o pé. Mas como na radiografia a fratura não mais aparecia, o médico disse que não seria necessário. Liberdade!! Apesar que o médico já achava que seria assim mesmo ao ver ele entrando no consultório andando, com as próprias perninhas, apesar da tala.

A recomendação era de que o deixássemos o mais à vontade possível, sem estimular, sem forçar nada, pois como ele ficou 10 dias com uma tala que ia da coxa até o pé, poderia ficar com os movimentos prejudicados por algum tempo e até com dor. E assim estamos fazendo. Tentamos evitar que suba nas coisas, mas só tentamos, pois ele não tá nem aí.

Ainda está andando um pouco cambaleante, e não dobra o joelho totalmente ao andar, ficando meio duro. Mas dia a dia está melhorando e cada vez se movimenta melhor.

Só não contávamos com um resfriado no meio do caminho que está fazendo ele não comer direito nem dormir bem…


Dia T541 – Podia estar chorando, podia estar resmungando…


A maioria das pessoas acha que o adulto sempre deve ensinar tudo às crianças, pois estas não sabem de nada ainda. Em parte é verdade. Mas há coisas que as crianças podem ensinar aos adultos, e se estes aprendessem a vida seria tão mais simples, tão mais gostosa para todo mundo.

Os adultos poderiam, por exemplo, aprender sobre diversão. Para uma criança tudo é diversão. Por que para um adulto também não pode ser? O adulto precisa ser sempre sério, obtuso? Não é possível trabalhar com alegria e felicidade? Isso com certeza deixaria o ambiente muito mais agradável e o trabalho, por mais enfadonho que possa ser, mais leve.

Também poderiam aprender sobre resiliência. Resiliência? Pois é! Você não verá uma criança que nasceu sem uma mão chorando porque o amiguinho ao lado tem as duas. O que você verá é ela brincando como outra criança qualquer, e se adaptando ao mundo para usar uma mão apenas.

O Biscoito está com a perna engessada. A recomendação é que ele fique o mais quieto possível, não porque a fratura pode piorar, mas porque o pior que pode acontecer é o gesso quebrar! Aí teremos que ir ao hospital para colocar outro. Mas como deixar um bebê super ativo como ele, parado? Impossível! Principalmente porque ele não vai parar de querer brincar só porque está com gesso.

Hoje a Mamãe deixou ele no tapete da sala, com alguns brinquedos em volta. Não consigo andar para pegar o brinquedo que está longe? Não tem problema!! Posso me arrastar!

Brincar é muito mais importante que se lamentar.

Atrapalha? Incomoda? Com certeza!!! Mas a vida não para! Ele quer brincar, se divertir, assustar o Papai e a Mamãe (de brincadeira), continuar a descer no escorregador, tomar sol, passear, ter contato com outras crianças….ele quer continuar a ser ele mesmo! E isso gesso nenhum vai impedir!


Dia T538 – O primeiro gesso


Neste dia tínhamos um aniversário num buffet. Mas não era um buffet qualquer, era um baita (acabei de revelar minha idade) buffet! Cheio de brinquedos para adultos e para crianças. Inclusive bebês! O aniversário era de 1 ano.

A Mamãe estava ansiosíssima pelo dia, pois seria a primeira festinha em buffet do Biscoito no qual ele poderia escolher onde ir, pois todos os lugares ele poderia (alguns conosco, claro). Nós chegamos ele já saiu correndo subindo, descendo, indo pra piscina de bolinhas, no cavalinho….não tínhamos ainda nem cumprimentado o aniversariante e seus pais e ele já estava fazendo a festa.

Passamos por um escorregador, que é mais ou menos um tobogã pois é fechado, e achamos que ele ia gostar, já que ama descer em escorregadores. Eu iria junto, claro! Não dava pra deixar ele ir sozinho. Tirei meu calçado, já que com ele poderia parar no meio do brinquedo pelo atrito com as paredes, coloquei o Biscoito no meio das minhas pernas, bem seguro, e lá fui eu! No meio do brinquedo ele começou a chorar. Achamos que poderia ter se assustado.

Depois que o acalmamos, percebemos que ele não estava conseguindo ficar de pé. Ele não estava firmando a perna direita. Achamos que poderia ter se machucado e fosse alguma dor momentânea, então esperamos mais um pouco, com ele no colo. Tentamos de novo, mesma coisa. Fomos embora da festa direto pro hospital.

Alguns raios-X depois, apareceu a causa do choro: uma trinca na tíbia. Na descida ele deve ter prendido o pé no brinquedo, e torceu a perna. Como os ossos ainda são molinhos, com essa torção a tíbia trincou.

O resultado foi uma perna engessada, do pezinho até a metade da coxa, por uns 10 dias.

Consultamos um médico particular, porque o atendimento no PS foi péssimo (engraçado como médico muitas vezes atende mal e com prepotência, enquanto enfermeiros são sempre solícitos e simpáticos), e ele nos acalmou bastante dizendo que a tala foi muito bem colocada (pelo enfermeiro!) e que esse tipo de fratura não trará nenhum mal ao Biscoito. Só precisamos mesmo cuidar pra que ele não exagere nas estripulias enquanto estiver com a tala. Não tanto pela fratura, mas porque se ele exagerar e quebrar o gesso, teremos que ir ao hospital colocar outro.

E aqui vai um aviso importante: sempre que colocar uma criança nesse tipo de brinquedo, coloque sem calçados, para que não haja o risco do calçado prender e torcer a perna. Só de meias, porque o pezinho também pode ficar preso se estiver um pouco suado.

A Mamãe e eu entramos em contato com o buffet para contar o que aconteceu, e eles mudarão a recomendação para uso do brinquedo. Eu acredito que em momento algum eles tiveram qualquer responsabilidade pelo que aconteceu. Foi uma fatalidade. Ainda bem que nada de mais grave aconteceu, então todos podemos aprender com isso e seguir nossas vidas.


Dia T532-Um novo gosto descoberto


Fomos no aniversário de 4 anos da filha de um casal de amigos. Chegamos tarde, quase no parabéns, porque o Biscoito almoçou tarde e acabou acordando tarde, então ele não aproveitou muito da festinha. Só que isso não o impediu de ao chegar no prédio olhar para todos os lados, só observando tudo.

Chegamos no salão e ele logo quis descer do colo. Pegou minha mão e começou a ir para fora. Claro que foi pro parquinho, onde há um escorregador bem grande! Não é preciso adivinhar muito para saber o que ele ficou fazendo até a hora de cantar os parabéns….que por termos chegado tarde foram apenas alguns minutos depois.

Na mesa do bolo haviam copinhos com doce de leite, e como a Mamãe e eu nem gostamos, pegamos um pra cada. A cada colherada que eu dava no copinho, com o Biscoito no colo, ele olhava atentamente a colher. Não resistimos à carinha de cachorro pidão e demos pra ele provar um pouco. Ele praticamente molhou os lábios, sentiu o gosto, saboreou um pouco, e pediu mais! Aí dei mais um pouco. Mas tive a sensação de que ele facilmente trocaria uma colher de doce de leite por uma suculenta manga!

Depois ele pediu pra sair do colo de novo, e foi pra onde? Pro parquinho, claro! Mas só por um breve momento porque começou a chover e fomos embora.


Dia T522-Oba, fruta nova!


O Biscoito adora fruta, ou melhor, ama fruta! Praticamente qualquer uma. Claro que existem as campeãs, como manga, banana e tangerina. Mas ele não recusa uma maçã, pêra, uva, caqui, laranja…

Ele também tem o costume/mania de querer comer o que nós temos no nosso prato. Mesmo que ele já tenha acabado de comer, vai querer provar um pouco do que estamos comendo.

Depois que todos comemos ficamos mais um pouco na mesa. Tanto a Mamãe quanto eu já tínhamos terminado, e o Biscoito já tinha comido a sobremesa. Até que ele olhou pro prato da Mamãe e viu algo interessante, novo, que ele nunca tinha provado antes. Não puro, pelo menos.

Ele esticou o braço para pegar. Eu fiz menção de tirar do alcance dele mas a Mamãe disse deixa pra ele aprender. Concordei. Ele colocou na boca e nós ficamos esperando pela careta e ele jogar longe, irritado.

Não teve careta. E não só não teve careta como ele ainda colocou a metade inteira do limão na boca pra chupar. É isso mesmo: um limão!

Não acreditei e peguei a metade que estava no meu prato para provar. Não estava um absurdo de ácido, mas também não dava para dizer que era um limão doce.

Não sobrou muita coisa do limão para contar a história.


Dia T511: Não deixo ninguém pra trás!


Neste domingo recebemos a visita de amigos na nossa nova casa. O Biscoito ainda está descobrindo tudo, principalmente a bagunça, já que nem tudo está no seu devido lugar.

Ele ficou brincando bastante com o Ben, e descobrimos que fixação por vassouras e rodos não são exclusividade do Biscoito. Na hora do jantar, se o Ben pudesse, tenho certeza que cortaria qualquer laço de amizade e contato! O Biscoito pega a comida com a mão, enfia na boca, mastiga, tira, coloca de volta…e se for fruta tira, guarda, pega outro pedaço, tira, coloca o anterior de volta para aproveitar o resto do suco, troca de novo, em suma, faz uma lambança sem tamanho. A cara do Ben ao ver ele fazer isso era algo de outro mundo, bem coisa do tipo meu, o que você está fazendo? Não é assim que se come!

Mas o principal aconteceu na hora em que foram todos embora. Descemos para acompanhar todo mundo até o portão, e ao chegar no térreo o Biscoito disparou na frente de todo mundo. A Mamãe virou pra ele e perguntou cadê o Ben? Vai deixar ele pra trás? Vai buscar ele!

E ele voltou até onde estava o Ben, e gentilmente (#sqn) deu um empurrãozinho para que o Ben andasse. A cada parada que ele dava, um empurrão nas costas. E em momento algum ele deixou o amiguinho para trás!


Dia T533 – E a primeira palavra é…


Durante algum tempo o Biscoito falava mama, papa mas nós tínhamos certeza que não era se referindo a nós, mas sim apenas os fonemas, assim como gugu, dada e etc. Depois ele simplesmente parou de emitir qualquer palavra. Até ficamos preocupados, mas o Dr. Atra disse que meninos demoram mais para falar, que isso só deve ser preocupante após os 2 anos de idade. E ele ainda está longe disso!

Depois começamos a achar que a primeira palavra seria Luna, ou não, de tanto que ouve. Mas antes de aprender a dizer não ele aprendeu a sinalizá-lo! Balança a cabeça de um lado pro outro em sinal de negação. Mesmo quando quer dizer sim, obviamente.

Às vezes quando estamos brincando com ele, principalmente na brincadeira predileta, que é subir e descer escadas, ficamos contando os degraus. E escutamos ele repetindo os sons baixinho. Não dá para dizer que está contando nem falando efetivamente os números. Apenas faz um chiado semelhante ao som.

Mas neste 533o. dia de vida, em casa, com a Mamãe, ele finalmente pronunciou a primeira palavra efetiva! Pelo que a Mamãe contou, ele falou devagar, pausado, e assim que terminou olhou pra ela com um olhar do tipo o que eu fiz? O que foi isso?

E a primeira palavra dele foi……Peppa!!!! Sim, ela mesma, a porquinha!

Agora é que eu não paro mais de cantar bing bong boo…bing bong bing….bing bong….


Dia G-260: Não tem nada, exceto um saco gestacional


Já estávamos prontos para colocar o Biscoito na escolinha e a Mamãe estava pronta para voltar a trabalhar, tendo sido chamada pela antiga empresa. Então achamos melhor fazer os exames que o ginecologista havia pedido há alguns meses já. Como era rotina, Mamãe foi acompanhada pela Tia Pri, assim ela ficava com o Biscoito enquanto fazia os exames.

A partir de agora ficção e realidade se misturam

Como é praxe em qualquer ultrassom, a Mamãe preencheu a ficha dizendo que não estava grávida, que estava tomando anticoncepcional, e que o ciclo menstrual estava OK. De posse dessas informações, foi iniciado o exame. O médico olhava pra tela, mexia na Mamãe, olhava pra tela de novo, apertava alguns botões, e a enfermeira que estava junto dizia para o médico essa máquina não está boa, doutor. Mas o médico, como bom homem que é, continuou. Até que disse pra Mamãe esperar um pouco fora da sala enquanto ele analisava as imagens, para ver se seria necessário fazer novamente o exame em outra máquina. Mamãe já ficou com a pulga atrás da orelha achando que tinha algo errado.

Depois de um tempo vão chamá-la para refazer o exame. Uma enfermeira ficou o tempo todo segurando a mão da Mamãe. Aí ela começou a suar frio. O médico iniciou o exame novamente. Nisso a Mamãe já estava quase entrando em choque pelo nervosismo. Aí o médico desligou a máquina, olhou pra ela (deve ter percebido que ela estava mais branca que o jaleco dele) e disse que estava tudo bem, que não tinha nada de errado. Só que havia um saco gestacional. Mamãe desmaiou. Ou quase! Mas saiu da sala amparada por duas enfermeiras, e ao chegar na área de espera a Tia Pri gritou perguntando o que tinham feito a ela pra ela estar nesse estado.

Obviamente que a Mamãe não conseguia falar, o que aconteceu só alguns minutos depois e muita água tomada. Aí ela explicou o que encontraram no exame. Saíram do laboratório e foram comer algo. Mamãe foi deixar Tia Pri na casa dela, e a cada farmácia que passavam um teste de gravidez era comprado. Obviamente, todos deram positivo.

E aqui termina a parte ficcional/real

Quando Mamãe chegou no meu trabalho, pediu para irmos até a garagem do prédio, pois ela não estava se sentindo muito bem e queria dar uma descansada. Depois de um tempinho parados, ela vira pra mim e diz adivinha o que acharam no ultrassom?

Obviamente que eu nem imaginava o que poderia ser. Ela disse um saco gestacional. Não foi um choque como quando ela me contou do Biscoito, mas fiquei tão feliz e alegre quanto!

Só vou passar a ter medo, muito medo se ela me chamar para conversar numa garagem novamente.


Retirando as teias de aranha


Já se passou tanto tempo desde a última atualização aqui, e tanta coisa já aconteceu que fica até difícil retomar.

O Biscoito está se desenvolvendo muito bem, e mostrando cada vez mais ser um garoto muito esperto. Ele já até sabe que tem um irmãozinho a caminho! Nós perguntamos pra ele “cadê o Bisnaga” e ele aponta pra barriga da Mamãe.

Ele já passou um dia inteiro longe de nós. A nossa “sorte” é que o dia foi agitado, pois foi dia de mudança de casa, então não deu tempo para sentir muitas saudades. Mas o caminho para ir vê-lo à noite parecia mais longo que o normal!

A hora das refeições é um show….de horror! Ele adora pegar os alimentos com as mãos, sejam eles sólidos como arroz, brócolis ou vagem, ou líquidos como caldo de feijão e sopa. Por dia são pelo menos 4 trocas de roupa: ao acordar, depois do almoço, depois do jantar e antes de dormir.

Agora este espaço estará separado entre textos que tratam do Biscoito, textos do Bisnaga, e no futuro textos de ambos!